Ordo ab Chao.

  Escrito no dia 18 de dezembro de 2009.

Hoje eu acordei numa manhã fria de uma fria de sexta-feira com oito simples palavras a ecoar pela minha cabeça: “Dodó, tenho uma péssima notícia pra te dar”; foi o que meu irmão disse ao entrar no quarto onde fui acomodado em Campinas – SP por Matilde, minha tia-avó (suponho).

 De início não dei muita importância àquela informação, pois imaginei algum problema no computador, o que sempre se mostrou uma catástrofe no mundo de meu irmão André (Dedé, simplesmente). E eu só queria dormir. Porém, de súbito, e como eu rugido de dragão após um despertar profundo, outras três palavras foram arremessadas na minha direção: “o Vovô morreu…”

 Momento de letargia, torpor; meu cérebro mostrava-se incapaz de promover qualquer outra reação imediata, parecia que ele desejava torturar-me por mais um tempo com o eco daquelas palavras. Eram pesadas demais… Insuportáveis… Impossíveis. Tudo caiu tão rápido em cima de minha alma, que nem tive tempo para gritar. Parecia injusto, desleal.

Pouco a pouco, meu corpo demonstrou reação. Minhas narinas foram entupidas pelo medo, meus olhos arderam e inundaram-se de culpa e tristeza, e meu corpo fora paralisado pela dor. Imagens de tempos felizes voavam em minha imaginação. Conseguia ver em todas uma alma cansada pelo tempo, marcada por seus erros, porém perdoada por sua serenidade, afeto e amor que ao seu modo transmitia ao mundo. “O seu mundo”.

Nunca tinha dado conta do quanto aquela parte era importante para meu “O meu mundo”, e por isso as palavras foram tão pesadas. Poderia conversado mais, visitado mais (e esteve tão perto de mim por tanto tempo…), interessado-me mais. Mas eu sei, eu sinto que sempre quis fazer tudo isso, só não sabia como… Parecia tão simplório… Esperei demais por não acreditar na finalidade-efemeridade-fragilidade do ser, e sim em sua eternidade.

Mesmo assim, ainda acredito nisso, pois a energia que antes sentia dele não desapareceu em mim, apenas mudou de forma.

“Andei pelo mundo procurando por inspiraçao e a encontrei em um homem que vive do que sonha.”